Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Introdução
Início do conteúdo da página

Quebradeiras de Coco Babaçu

Publicado: Quinta, 07 de Julho de 2016, 16h49 | Última atualização em Sexta, 08 de Julho de 2016, 16h10 | Acessos: 473

Introdução

“Para mim o coco é tudo, tudo mesmo; para mim o coco é tudo”

A identidade das quebradeiras se faz na atividade laboral de coleta, quebra do coco para extrair a amêndoa e beneficiamento de seus compostos, fato que a individualiza dentro dos extrativistas e reflete-se no relacionamento com as demais quebradeiras e suas famílias. As quebradeiras de coco são determinadas pela sua produção, que não se caracteriza apenas como a mercadoria. É uma atividade eminentemente feminina, exercida por mulheres de todas as idades. Outro fator que determina o modo de ser das quebradeiras é a prerrogativa do acesso livre e uso comum da palmeira e do coco.

Nos últimos anos as mulheres quebradeiras têm reforçado sua identidade na luta comum e na militância, a partir da construção de vários órgãos de classe em diversos povoados e estados, a fim de pressionar o poder público a agir em prol do desenvolvimento sustentável, dos direitos garantias das quebradeiras.

As mulheres quebradeiras de Coco Babaçu são definidas por uma série de papéis sociais e identidades previamente concebidas: mãe, filha, avó, esposa, viúva, indígena, quilombola, branca, negra, trabalhadora rural, doméstica, educadora, liderança etc., mas é na identidade de quebradeira de coco que todas se assemelham.

Fim do conteúdo da página