Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Introdução
Início do conteúdo da página

Geraizeiros

Publicado: Quinta, 07 de Julho de 2016, 14h58 | Última atualização em Sexta, 08 de Julho de 2016, 15h52 | Acessos: 831

Introdução

“Ele tem um jeito de ser que todos conhecem: é acanhado, tem um modo próprio de falar, de referir às coisas. Não é de muita brincadeira, é um pessoal respeitador, trabalhador. Você pode ver, ele quase sempre anda de roupa branca, limpinha, mesmo se tem remendo. Carrega um embornal e o seu transporte antigamente era o animal, hoje anda mais de bicicleta.” (Caires, prof. de história em R.M.).1

Geraizeiros são as populações que habitam os campos gerais do Norte do estado de Minas Gerais. Se autodefinem em contraposição a outros povos (catingueiros, vazanteiros e veredeiros) que, apesar de se situarem nas mesmas regiões geográficas, vivem em biomas e com modos de vida distintos. São conhecidos como geraizeiros, geralistas ou chapadeiros. Seu modo de vida é completamente alinhado às características do Cerrado, de onde tiram tudo o que é necessário para sobreviver. Atuam de forma diversificada na produção dos meios de vida, por meio da criação de animais, plantações e extrativismo.

“Geraizeiros, como cultural e contrastivamente são assim denominados, os habitantes dos gerais. Desenvolveram a habilidade de cultivar às margens dos pequenos cursos d’água uma diversidade de culturas como a mandioca, cana, amendoim, feijões diversos, milho e arroz. Além das aves, o gado bovino e mesmo o suíno eram criados soltos, até em período muito recente, nas áreas de chapadas, tabuleiros e campinas de uso comunal. E são nestas áreas, denominadas genericamente como gerais, que vão buscar o suplemento para garantir a sua subsistência: caça, frutos diversos, plantas medicinais, madeiras para diversos fins, mel silvestre etc. Os produtos que levam para o mercado – farinha de mandioca, goma, rapadura, aguardente, frutas nativas, plantas medicinais, artesanato – refletem o ambiente, o modo de vida, as possibilidades e potencialidades dos agroecossistemas onde vivem.”2

Fim do conteúdo da página