Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Apanhadores de Sempre-vivas
Início do conteúdo da página

Apanhadores de Sempre-vivas

Publicado: Sexta, 01 de Julho de 2016, 15h27 | Última atualização em Quarta, 13 de Julho de 2016, 16h17 | Acessos: 1097

Introdução

“Nos campos, o corpo cansa, mas a cabeça fica boa. A gente já sabe quando a flor abre. E não tem nada como subir [aos campos] e ver elas abertas; é bom demais, é uma vida inteira.” (Moradores da serra).

Várias comunidades tradicionais se autodenominam não só pela lógica de ocupação dos seus territórios tradicionais, mas também pelo trabalho que nele realizam. A maioria delas é ligada a diversidade de movimentos sociais e à luta pela manutenção de seus direitos e costumes. Com os Apanhadores de flores sempre-vivas não é diferente. Essa auto identificação está vinculada à atividade de coleta de flores secas nativas do Cerrado brasileiro que realizam em seus territórios e, ao mesmo tempo, refere-se como uma unidade de ação política na luta pelo reconhecimento de suas práticas e direito de uso de seu território, com o qual mantem vínculos e tradições, muitos destes ligados a práticas quilombolas, dos quais descendem. Além da coleta das flores, as comunidades também realizam outras atividades produtivas que garantam a complementação de renda e a garantia da sua segurança econômica e alimentar, como roças, criação de aninais, caça e coleta.

Os Apanhadores de flores sempre-vivas habitam a porção meridional da Serra do Espinhaço, em Minas Gerais, localizadas em mais de 50 municípios na região de Diamantina. Ao se percorrer esta região, observa-se a presença das dezenas de comunidades rurais apanhadoras de flores em meio a áreas de campos rupestres do Cerrado. A coleta das flores sempre-vivas constitui-se como uma tradição e fonte de renda fundamental para a reprodução sociocultural das famílias. As flores ocorrem nos campos rupestres do Cerrado e dizem respeito ao termo popularizado para essas inflorescências que, depois de colhidas e secas, conservam sua forma e coloração e há cerca de 90 espécies manejadas, além de outras partes de plantas também coletadas.

Fim do conteúdo da página